Geral

UEM Adota Ferramenta Turnitin para Combater Plágio Acadêmico

Parceria entre Pró-Reitorias e Biblioteca Central

A Universidade Estadual de Maringá (UEM) volta a ter uma ferramenta essencial para inibir plágios acadêmicos. A parceria entre a Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PPG), a Pró-Reitoria de Ensino (PEN) e a Pró-Reitoria de Administração (PAD) viabilizou a assinatura do software antiplágio Turnitin Feedback Studio, adquirido pela Biblioteca Central (BCE).

Investimento e Uso do Turnitin

O investimento na assinatura anual do plano intermediário da ferramenta foi de cerca de R$ 60 mil, permitindo o cadastro de 3 mil usuários da comunidade universitária. Desde o mês passado, o software já está sendo utilizado para varredura de teses, dissertações, trabalhos de conclusão de curso (TCCs), artigos científicos e redações de candidatos do processo de vagas remanescentes via histórico escolar.

De acordo com o pró-reitor de ensino, Marcos Vinicius Francisco, cerca de 2% das redações encaminhadas online foram reprovadas por plágio. Ele destaca que o relatório do Turnitin não só aponta os trechos similares, mas também indica a origem das fontes.

Benefícios para a Universidade

Márcia Regina Paiva, diretora da BCE, ressalta três principais benefícios do uso do Turnitin. Além de garantir a originalidade dos trabalhos, a ferramenta compara textos com mais de 111 milhões de páginas na web, aumentando a consulta e citação dos trabalhos originais. Também ajuda na verificação da inteligência artificial, excluindo referências bibliográficas, anexos e apêndices da varredura.

Paiva destaca que a UEM, ao adotar o Turnitin, melhora a qualidade das publicações e o ranqueamento da universidade dentro das pesquisas. O próximo passo é buscar uma assinatura coletiva do sistema antiplágio para as sete universidades estaduais, similar ao que foi feito com a plataforma digital Minha Biblioteca e a Biblioteca Virtual da Pearson.