Covid-19: volume de resíduos em domicílios cai nas capitais

Covid-19: volume de resíduos em domicílios cai nas capitais

Belo Horizonte aparece no topo da lista

Marcello Casal Jr / Agência Brasil

 

O volume de resíduos produzidos nas residências das capitais do país apresentou queda de 10% a 22% entre março e abril deste ano, de acordo com a Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes), que fez o levantamento junto aos serviços de coleta em 10 capitais.

No topo da lista aparece a região central de Belo Horizonte, onde a coleta domiciliar foi reduzida em 50% nos últimos 30 dias. Em toda a cidade a redução correspondeu a 22%.

A pesquisa foi realizada em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Salvador, Fortaleza, Belo Horizonte, Manaus, Recife, Porto Alegre e Natal. Em todas as cidades foi registrada uma quantidade menor de resíduos, acarretada pelo isolamento social e fatores a ele ligados, como o fechamento de lojas.

A partir desta semana, a Abes acompanhará todas as capitais.

Na comparação entre a segunda semana de abril e a primeira semana de março, observa-se uma redução de 16% no Rio de Janeiro, 12% em Brasília e Porto Alegre e de 10% em Fortaleza e Manaus. No caso de Recife, a análise contemplou dados de toda a Região Metropolitana, com exceção do município de Ipojuca e indicou uma queda de 7%.

Já para São Paulo e Natal, a entidade ampliou o escopo da pesquisa, elaborando um comparativo anual, entre março de 2019 e de 2020. As taxas foram, respectivamente, de 2% e 20%.

Segundo o diretor da Abes Seção Rio Grande do Sul, Mario Saffer, o desafio que agora se impõe, diante da pandemia, é a revisão de “hábitos capazes de racionalizar o consumo, coleta e destinação de forma sustentável”.

Proteção de catadores de materiais recicláveis

A coordenadora da Câmara de Resíduos Sólidos da entidade, Heliana Campos, ressaltou que uma das prioridades atuais deveria ser a proteção de trabalhadores que tem como ocupação a reciclagem de materiais. Ela defende que o Estado assegure o sustento dessa parcela da população, enquanto a pandemia durar.

Conforme apurou o Movimento Nacional de Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR) calcula que cerca de 15% dos cooperados se enquadram em grupos de risco, por terem idade acima de 60 anos ou serem lactantes e portadores de doenças crônicas. Outro fator inerente à atividade laboral que exercem e que os torna mais vulneráveis à infecção por covid-19 é a possibilidade de contato com resíduos contaminados.

Close Bitnami banner
Bitnami