‘Sou médico, não juiz’, diz Drauzio sobre caso do trans Suzy

‘Sou médico, não juiz’, diz Drauzio sobre caso Suzy

“Não perguntei nada a respeito dos delitos cometidos pelas entrevistadas. Sou médico, não juiz”, diz Drauzio.
Imagem divulgação

 

O médico Drauzio Varella publicou hoje uma nota de esclarecimento sobre reportagem produzida e divulgada no programa Fantástico, da Rede Globo, no dia 1º de março.

Na reportagem foi apresentada algumas detentas transexuais, entre elas, Suzy de Oliveira, que não recebia visitas há 8 anos, que trabalhava na prisão e estava separada do marido. Suzy respondeu uma pergunta na  qual disse que fazia 8 anos que não recebia uma visita. Recebeu a resposta de “Solidão”e um abraço do médico.

Em decorrência desta comoção. A detenda recebeu 16 livros, duas bíblias, maquiagens, chocolate, envelopes, canetas e centenas de cartas, algumas delas de grupos religiosos e inclusive de escolas de crianças.

No entanto, segundo informações de vários sites, a Globo omitiu o crime praticado por Suzy, que foi batizado como Rafael Tadeu de Oliveira dos Santos. Que foi presa desde 2010 por estupro de vulnerável e homicídio triplamente qualificado. Ela foi considerada culpada pela morte de um garoto de 9 anos.

Em nota divulgada pelo Twitter, Dr Drauzio Varella disse que não pergunta “sobre o que meus pacientes possam ter feito de errado”.

“Não perguntei nada a respeito dos delitos cometidos pelas entrevistadas. Sou médico, não juiz”, acrescenta.

Fonte: RenovaMídia

Confira a íntegra da nota divulgada por Drauzio Varella:

Close Bitnami banner
Bitnami