Ministério testa controle biológico de Aedes aegypti em três cidades

Ministério testa controle biológico de Aedes aegypti em três cidades

Transmissão de zika por pernilongo pode explicar incidência em algumas regiões

O ministro da Saúde Henrique Mandetta anunciou ontem (15), em Campo Grande (MS), a realização de testes com a soltura de mosquitos Aedes aegypti que carregam a bactéria Wolbachia, para reduzir a transmissão de doenças como dengue, zika e chikungunya.

Conforme pesquisas do projeto World Mosquito Program Brasil (WMPBrasil) da Fiocruz, o mosquito infectado pela bactéria tem menor capacidade de transmitir doenças. Ao serem soltos, reproduzem e geram mosquitos com as mesmas características.

O Ministério da Saúde diz que os mosquitos não foram modificados geneticamente. A bactéria Wolbachia está presente no organismo de 60% dos insetos na natureza. “Com a liberação de mosquitos com a Wolbachia, a tendência é que esses mosquitos se tornem predominante e diminua o número de casos associado a essas doenças”.

Os testes, considerados etapa final de avaliação da Wolbachia, serão realizados em Campo Grande, Belo Horizonte (MG) e Petrolina (PE) a partir do segundo semestre e terão duração de três anos. A experiência custará R$ 22 milhões ao Ministério da Saúde.

De acordo com nota da pasta, Mandetta diz que a estratégia de controle biológico em teste é “complementar” no combate ao mosquito. “Governo e população precisam continuar fazendo sua parte”, disse. A recomendação geral continua sendo eliminar possíveis criadouros do mosquito.

Compartilhe: