Paraná seleciona PMs da reserva para atuar na segurança de escolas

Paraná seleciona PMs da reserva para atuar na segurança de escolas

Projeto do governador Ratinho Jr foi antecipado após ataque em Suzano

Policiais militares da reserva passarão a reforçar a segurança das escolas estaduais do Paraná e a proteger alunos, pais e funcionários das unidades de ensino estaduais. Implementado pelas secretarias estaduais de Educação e Segurança Pública, o programa Escola Segura começaria a funcionar no final de maio, mas foi antecipado após o ataque ao Colégio Professor Raul Brasil, em Suzano (SP), onde dois ex-alunos assassinaram cinco estudantes e duas professoras antes de se matarem.

“Tínhamos programado lançar este programa em maio, mas com a tragédia que aconteceu em Suzano, acabamos antecipando em algumas escolas com maior risco e antecedentes de violência do Paraná”, explicou o governador Ratinho Júnior, após se reunir, hoje (26), com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, em Brasília.

O processo de seleção dos policiais militares da reserva que vão participar da primeira etapa do programa já começou. De acordo com o governador, as primeiras cidades a receber o Escola Segura serão Londrina e Foz do Iguaçu, além de municípios da Região Metropolitana de Curitiba. Será dada prioridade às escolas localizadas em bairros mais vulneráveis.

Treinamento

A proposta prevê que os policiais reservistas que se inscreverem para participar do programa sejam submetidos a testes físicos e de aptidão mental. Os selecionados receberão treinamento de 20 horas para atuar no ambiente escolar, sob a coordenação do Batalhão de Patrulha Escolar Comunitária, e integrados com as equipes gestores das escolas.

Além da vigilância das unidades de ensino, os policiais atuarão de forma a prevenir e mediar conflitos escolares, prevenindo a violência, a depredação dos prédios, o tráfico de drogas e o bullying.

“Não se trata só de termos um policial treinado na porta da escola. Haverá também um trabalho pedagógico de treinamento com os professores para que eles possam, eventualmente, entender o comportamento diferenciado de algum aluno”, disse Ratinho Júnior.

O governador disse que a Defesa Civil também vai dar treinamento para o caso de catástrofes naturais. “Haverá um trabalho preventivo, já que os policiais que vão monitorar o movimento de entrada e saída das escolas poderão [em outros momentos] dar cursos do Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência [Proerd]”, disse o governador.

Na primeira etapa, que funcionará como um teste, o governo estadual pretende implantar o Escola Segura em ao menos 100 escolas. O Paraná tem 2.143 escolas estaduais e a decisão de aderir ao programa será da direção de cada estabelecimento, em conjunto com a comunidade escolar. Para a primeira fase, foram abertas 74 vagas para policiais reservistas atuarem em Londrina e 46 para Foz do Iguaçu. O processo seletivo para a Região Metropolitana de Curitiba começará em breve.

Podem se inscrever para as vagas os PMs que estão na reserva há, pelo menos, dois anos e que não tenham sido condenados ou denunciados criminalmente. Os selecionados receberão R$ 113 por dia de trabalho no ambiente escolar. O governo paranaense estima um investimento de R$ 5 milhões nesta primeira etapa em diárias e equipamentos. O projeto-piloto vai durar cinco meses. Após este período, o governo vai avaliar os resultados e decidir sobre a ampliação do projeto.

Compartilhe: