PT responde desabafo de Manuela D’Ávila a “manobra” contra o PCdoB na cláusula de barreira

PT responde desabafo de Manuela D’Ávila a “manobra” contra o PCdoB na cláusula de barreira

Maria do Rosário (PT) – Foto site do PT

Em resposta ao desabafo de Manuela D’Ávila, candidata à vice-presidente de Fernando Haddad. O PT em nome de Maria do Rosário, tentou amenizar seu desabafo quando da atitude do Partido dos Trabalhadores que prejudicou o PCdoB na cláusula de barreira.

Maria do Rosário disse que: “Jamais qualquer gesto do PT teve como objetivo prejudicar ou impedir que o PCdoB construa solução para a cláusula de barreira, resultado da última eleição, com a fusão à outro partido.” e jogou a culpa para cima da “Direita” quando disse que: “Essa manobra pode levar à situação inusitada de um governista ocupar formalmente a liderança da oposição e impedir não só o PT, mas os partidos todos que se opõem a Bolsonaro, de exercerem seu papel.”.

 

Quer saber o que aconteceu?

Depoimento de Manuela D’Ávila na internet:

 “Todos sabem – ou quase todos – que não sou deputada mais. Alguns também sabem que eu não participei das reuniões de meu Partido sobre a eleição na Câmara. Eu já havia dito que acho que todos os partidos erraram um pouco nesse processo. Para mim, com a minoria ABSOLUTA que temos na Câmara e com a tendência de aumento da PERSEGUIÇÃO e CRIMINALIZAÇÃO dos movimentos sociais e partidos de esquerda, o mais importante é garantir nossa existência para lutarmos na rua.

Isso para mim deveria significar a construção de uma candidatura comprometida com a democracia já que os 130 deputados de nosso campo JAMAIS chegariam ao 2º turno. Ou seja, serviria para demarcar, para alegrar, para discursar por uns dias mas não havia chance de vitória. Claro, sempre defendi que DEVERÍAMOS ter esgotado as conversas entre nós em primeiro lugar. Mas vejam bem, isso tudo acabou. E pela votação se percebe como muita gente discursava inflamado mas não garantiu o voto no segredo da urna, né?

Alguém tem dúvida de quem vai estar na rua lutando contra o governo Bolsonaro? Não, né?

Mas acreditem e falo sobre isso com os olhos marejados:

PSOL E PT tentaram impedir, a partir de uma manobra regimental, a fusão do PCdoB com PPL, mecanismo legal que construímos para superar a cláusula de barreira e seguirmos existindo legalmente. Ou seja, uma eleição da câmara que não estivemos juntos e nossos aliados há mais de 30 anos tentaram nos colocar na semilegalidade!!!!!

Nós, que retiramos a minha candidatura à Presidência para compor uma chapa quando tínhamos 3% nas pesquisas, os mesmos 3% de Haddad. E sabemos o quanto isso afetou nossa eleição de parlamentares!!!! Nós, que fomos para rua, mesmo com a invisibilidade machista imposta a mim na TV. Porque afinal “as fake news eram grandes” e eu prejudicava a chapa porque as pessoas acreditavam nas mentiras. Nós, que, ao contrário de tantos, somos defensores de Lula e de sua liberdade em todos os momentos. Nos, que engolimos a derrota na Câmara dos Deputados, quando o PT se aliou ao PMDB, para nos derrotar em 2006.

A eleição da Câmara já passou. Nós seguiremos na rua, em oposição a Bolsonaro. Mas companheiros, companheiras, isso foi grave demais. Ninguém solta a mão de ninguém não significa um monte de gente rezando a cartilha do pensamento de um único partido. Ninguém solta a mão de ninguém significa engolir em seco as diferenças (tipo eu fiz com a não aparição minha na TV, lembram?), discutir internamente , superar problemas e seguir na luta juntos.

O povo brasileiro precisa da nossa luta comum e da nossa unidade. Não soltem as mãos que SEMPRE – e não só de vez em quando – estão na luta.”

 

Resposta do PT em artigo de Maria do Rosário

Li com atenção o texto publicado pela companheira Manuela D’Avila sobre a formação de blocos partidários e eleição para presidente da Câmara dos Deputados.

Acho necessário, pelo respeito e pela histórica convivência entre o PT e PCdoB, compartilhar algumas informações que precedem o debate político, sempre importante para nossos posicionamentos.

Jamais qualquer gesto do PT teve como objetivo prejudicar ou impedir que o PCdoB construa solução para a cláusula de barreira, resultado da última eleição, com a fusão à outro partido.

O PT se opôs à cláusula de barreira por ter consciência do impacto desse dispositivo para o nosso principal aliado, o PCdoB. Muitas vezes derrotamos essa imposição.

Ao longo da história sempre nos apoiamos mutuamente. O PCdoB muito contribuiu com o PT. Na mesma jornada, o PT contribuiu com o PCdoB, construindo uma forte atuação conjunta na Câmara, no Senado, nos governos, nos movimentos e lutas do povo. São vários estados em que nossos deputados e deputadas foram eleitos juntos, com profunda unidade programática, que não acaba entre o dia das eleições e a posse da nova Legislatura da Câmara.

Diante de nossa imensa responsabilidade de atuação, não podemos deixar dúvidas. É preciso imediatamente esclarecer que a votação na Câmara dos Deputados nada tem a ver com a superação da cláusula de barreira via fusão de partidos.
O que aconteceu, é que nossas diferentes posições políticas sobre as eleições da Câmara, foram utilizadas pela direita para tentar nos dividir.

A decisão sobre a fusão de partidos é do âmbito do TSE. E o PCdoB conta com total apoio do PT, no que considerar necessário. O encaminhamento de Rodrigo Maia tem seus efeitos restritos ao âmbito da Câmara, e foi tomado em meio ao processo eleitoral da mesa, para viabilizar um segundo Bloco em seu apoio e isolar o PT.

Com o deslocamento de partidos de centro e de direita, aliados de Bolsonaro, para participarem de um Bloco com PCdoB e PDT, esse segundo Bloco de apoio à Rodrigo, alcançou um número maior de parlamentares do que o Bloco de Oposição formado PT, PSB, PSOL e Rede.

Essa manobra pode levar à situação inusitada de um governista ocupar formalmente a liderança da oposição e impedir não só o PT, mas os partidos todos que se opõem a Bolsonaro, de exercerem seu papel.

Não podemos aceitar tal situação que oferece mais instrumentos para um governo opressor dentro da Câmara, ampliando espaço por exemplo do Patriotas e Podemos. Nossa atuação é pela resistência contra o governo Bolsonaro.

Ao saber que Manuela escrevia com os olhos marejados, também os meus assim ficaram e sabemos que esse efeito se multiplicou em muitos de nós.

A extrema-direita trama e age contra nós. Usa o estado, a mídia, o ódio contra nós. Não permitiremos que nos use uns contra os outros.

Na defesa de Lula, no enfrentamento ao golpe, na jornada politicamente vitoriosa de Haddad e Manuela simbolizam o que somos: dois partidos com formulações próprias, respeito mútuo, mas capazes de caminharem juntos, e formarem uma Frente pela Democracia, pela Soberania e pelo Povo Brasileiro.

Camaradas, Companheiros e Companheiras,

Eventuais divergências táticas são muito pequenas diante de nossos objetivos estratégicos em comum, de construir uma sociedade justa.

Ao abraçar Manuela, Jandira, Alice e Luciana, mulheres comunistas, abraço o PCdoB. E podem ter certeza que esse é o sentimento de Gleisi, e todos os dirigentes e militantes do PT.

Com reconhecimento,

Maria do Rosário

Compartilhe: