Acusações de vazamento são ataque indevido à Lava Jato

Acusações de vazamento são ataque indevido à Lava Jato

Força-tarefa não usa estratagemas para celebrar acordos de colaboração

MPPR Ministério Público do Paraná

Em editorial publicado ontem, 8 de junho, com o título “Os vazamentos da Lava Jato”, “O Estado de S. Paulo” aproveita a decisão do STF de cassar a censura de um blog a respeito de notícias envolvendo delegada de Polícia Federal, fato esse sem qualquer vinculação a procuradores da República membros da força-tarefa Lava Jato, para veicular conhecida opinião do jornal, sem qualquer base fática, da existência de vazamentos seletivos de informações para “constranger os investigados, manipular a opinião pública e forçar delações”.

Até mesmo em respeito aos leitores desse jornal, a força-tarefa Lava Jato no Ministério Público Federal no Paraná refuta veementemente análises superficiais, realizadas sem suporte fático mínimo para reportagens sérias em veículos de comunicação isentos, que levantam suspeitas sobre a atuação profissional de seus integrantes. A costura de notícias sem contexto só revela o pretexto de manipular os leitores e levá-los a crer indevidamente na trama novelesca do editorialista de “O Estado de S. Paulo”.

Não há nenhuma evidência de que os acordos de colaboração firmados no âmbito da Lava Jato em Curitiba tenham se originado de estratagemas eticamente discutíveis, como leva a crer o editorial. A ampla divulgação das ações e dos resultados da Lava Jato tem por objetivo apenas subsidiar veículos de comunicação como o próprio “Estadão” com informações confiáveis que já não estão sob sigilo e manter a população informada sobre a operação. Se for diferente, que esse jornal aponte as evidências que possui.

Compartilhe: