A emancipação perante Curitiba e o primeiro assassinato político em São José dos Pinhais (Curiosidades São-Joseenses)

A emancipação perante Curitiba e o primeiro assassinato político em São José dos Pinhais (Curiosidades São-Joseenses)

A emancipação perante Curitiba e o primeiro assassinato político em São José dos Pinhais (Curiosidades São-Joseenses)

Imagem da primeira metade do século XX do casarão pertencente ao vereador eleito assassinado, Manoel Alves Pereira [Fotos: Museu Mun. SJP]

Artigo: Antonio Francisco Bobrowec

A independência política de São José dos Pinhais perante Curitiba está inserida num contexto interessante de disputa política entre dois partidos. De um lado os liberais, também conhecidos como Luzias e, de outro, os conservadores, intitulados Saquaremas. O resultado desta disputa partidária gerou trinta vítimas no dia da eleição de deputados em 1852, incluindo a morte do primeiro presidente da Câmara de São José dos Pinhais.

São José se emancipa de Curitiba

É válido ressaltar que as manifestações pela independência política de São José não partiram da população, que na época não tinha voz e direitos constituídos. São José vivia uma realidade muito comum a das outras freguesias e vilas brasileiras: o bipartidarismo entre a ala liberal e a conservadora. Contudo, esta disputa era elitista, não colocando em pauta os interesses da maioria da população.

De forma geral, o clima na época da Emancipação Política de São José dos Pinhais era delicado não só ali, mas em todo o Paraná. Este ainda buscava a sua independência da Província (Estado) de São Paulo. Este fato ficou ainda mais complicado depois que São Paulo deixou de atender ao pedido dos paranaenses e concedeu a titulação de Província ao Amazonas, em 1850.

Na data de 16 de julho de 1852, o vice-presidente da Província de São Paulo, Hypolito José de Souza, sancionou a Lei n.º 10 de 1852 que elevava à categoria de Vila (Município) a Freguesia de São José dos Pinhais. Ficou determinado também a data de votação dos sete vereadores que comporiam a Câmara Municipal, primeiro domingo de outubro daquele ano.

“Os candidatos mais votados e eleitos foram Manoel Alves Pereira, José Lionel da Silva, José Joaquim Passos de Oliveira, Antonio Joaquim Oliveira Portes, Manoel Mendes Leitão e Francisco de Paula Prestes Branco. Cinco dias após a apresentação do nome dos eleitos, em uma sessão ordinária, os vereadores da Câmara Municipal de Curitiba reconheceram oficialmente como autênticas as atas da eleição são-joseese”, relata a historiadora Maria Angélica Marochi em sua obra Câmara Municipal de São José dos Pinhais – 150 anos1853-2003.

Em São José, os Luzias eram os de maior número e, com isso, garantiram a maioria das sete cadeiras da Câmara Municipal, inclusive o cargo de presidente da Casa com o vereador mais votado, Manoel Alves Pereira. No entanto, os Saquaremas não se deram por vencidos e planejaram um boicote armado no dia da eleição dos novos deputados, a 7 de novembro de 1852. Uma data que seria inesquecível para a história política local.

Presidente da Câmara morre antes da posse

As eleições para deputados aconteceram em frente à igreja Matriz de São José (hoje Catedral) após a missa do Divino Espírito Santo, como era o costume da época. Quando Manoel Alves Pereira e mais alguns partidários tentaram votar na mesa paroquial foram impedidos por alguns militares, comandados pelo cadete Benjamim Pereira de Vasconcelos.

Alves Pereira achou o impedimento um absurdo e começou a discutir com o subdelegado José Olinto Mendes de Sá. No momento em que o vereador decidiu deixar o local foi surpreendido com quatro tiros nas costas. Os partidários de Manoel revidaram e o resultado foi trinta caídos no chão após grande tiroteio, dentre eles sete feridos e as mortes de Manoel Alves Pereira e do cadete Benjamim.

O corpo do vereador eleito foi velado na casa da família, na Praça Oito de Janeiro, em frente à igreja Matriz. “Aí, na sala onde velaram o cadáver, foram as paredes, portas e janelas inteiramente cobertas de crepe, e os funerais foram os de maior concorrência de que se tem notícia. Tal foi o abalo e pesar da população” (MAROCHI, 2003, p. 52).

Somente no final daquele mês, no dia 30 de novembro de 1852 é que em sessão ordinária da Câmara de Curitiba foi providenciada a compra de um livro para o registro do juramento dos vereadores são-joseenses. Foi escolhido também na ocasião o dia 8 de janeiro de 1853 como a data oficial da instalação da nova Câmara Municipal, data que instituía São José dos Pinhais como Município.

Compartilhe: